E agora, como focar no Enem?

Para quem está na fase de vestibular, a suspensão temporária das aulas em razão da pandemia teve um grande impacto. Perto da reta final do preparo, os estudantes se encontraram num novo cenário. Incertezas, quebra da rotina de estudo e um distanciamento dos professores nessa hora tão importante. Tudo isso mexe não só no preparo cognitivo, mas também no emocional de quem está no ano de prestar vestibular e de concorrer a uma boa vaga universitária através do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Como focar emocionalmente para esse momento? Detentores dessa resposta, sem dúvidas, saem na frente antes mesmo de fazer a prova.

Neste ano, a nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC) tornou obrigatória a inserção de conteúdo socioemocional na grade escolar. Contudo, muitas escolas que se anteciparam à exigência e se preocuparam com esse tipo de aprendizado, já conseguiram colocar em prática o desenvolvimento socioemocional para seus jovens do ensino médio. Através de aulas diretas, trouxeram aos alunos conceitos sobre autoconhecimento, relacionamento interpessoal e projeto de vida.

Socioemocional no Enem

Tanto para o Enem quanto para demais vestibulares e até mesmo concursos, esse processo de desenvolvimento socioemocional exerce grande influência. Isso porque há um trabalho voltado para a autoconfiança do estudante, para que consiga lidar com as pressões desse período. Mais além, esse tipo de ensinamento traz conteúdo com abordagem sobre escolhas profissionais, para que o estudante possa realizar essa importante decisão de maneira mais consciente.

Enem: é preciso saber lidar com as pressões desse período

Destacada toda essa importância, é possível observar como esse tempo sem aulas deixa o ambiente mais tenso para o estudante que está próximo de realizar Enem ou outras provas de vestibular. Certamente, o cenário que estamos vivendo em relação ao distanciamento e isolamento social contribui de forma significativa para o aumento da pressão nos estudantes. Nesse momento, eles estão perdendo algo de extrema importância, que é o convívio com os amigos.

Esse afastamento gera ainda mais pressão sobre o estudante. Isso, pois é claro que a importância da escola não diz respeito apenas à transmissão do conteúdo necessário para a realização bem sucedida de um vestibular. Diz respeito também à contribuição com a formação humana dos jovens, criando vínculos de amizade, trocando experiências e expectativas sobre esse momento tão importante na vida do jovem.

O controle da pressão

O desenvolvimento das competências socioemocionais contribui e pode fazer diferença no controle da pressão e da ansiedade presente nesse momento na vida dos estudantes. Esse tipo de aprendizado ajuda a trabalhar conceitos e práticas fundamentais para o desenvolvimento humano de forma integral.

Autonomia, poder de decisão, resiliência, autoconfiança, organização, priorização, empatia e autocuidado são alguns desses conceitos. Ao serem colocados em prática, eles fazem com que o estudante consiga lidar melhor com as pressões e adversidades da vida.

Autonomia, autoconfiança e organização: habilidades socioemocionais que fazem diferença

Tudo isso, aliás, tem sido levado em consideração pelas escolas. Preocupadas com a formação humana do estudante, elas estão procurando ministrar aulas e proporcionar momentos em que os alunos possam ter conteúdo com abordagens socioemocionais. Dessa forma, conseguem diminuir a pressão de focar apenas no conteúdo acadêmico.

O momento, inclusive, é de mudança de paradigmas na educação. Nesse sentido, há um movimento muito satisfatório das escolas buscando conhecer e integrar as habilidades socioemocionais em sua rotina. Os alunos também estão entendendo essa transformação escolar. Eles não veem mais a escola apenas como um ambiente voltado para se aprender conteúdo técnico, mas sim como um importante meio para se construir relações e de interações humanas.

TPV – Tensões Pré-Vestibular

Independentemente do momento de pandemia e de suspensão temporária das aulas, o período pré-vestibular e Enem é motivo de várias emoções afloradas no estudante. É comum o jovem relatar que está se sentindo pressionado, ansioso, inseguro ou até mesmo com medo nessa época. Essas sensações são naturais diante das incertezas e cobranças que ele está vivendo. A questão principal, então, é não deixar essas emoções interferirem, de forma negativa, nos resultados desejados.

Dessa forma, as atividades que tragam autoconfiança, resiliência, autonomia, autogestão e autocontrole são fundamentais para que o estudante possa lidar com as pressões. E então, manter o foco e o direcionamento. Sem administrar essas emoções, o estudante sofrerá impactos significativos nos resultados cognitivos. Afinal, quem nunca teve um “branco” em uma prova, na escola, ou em alguma apresentação, no trabalho?

Sim, diante da pressão, embora estejamos preparados, pode acontecer de não lembrarmos nada e, daí, não conseguirmos fazer o nosso melhor. Por isso, o desenvolvimento socioemocional é tão importante e contribuirá para o gerenciamento das emoções, uma vez que nos ajudará a ter mais confiança, autonomia, resiliência, foco e organização.

Emoções negativas como ansiedade aparecem, mas não devem interferir

Tudo isso faz parte…

Entender que tudo isso vivido nesse período faz parte da construção da vida do estudante também é importante. Esse entendimento ajuda aliviar um pouco todas essas pressões que o jovem coloca sobre si. Sabemos o quanto é difícil o período da adolescência, o momento do vestibular e a passagem para a vida adulta. Ela vem repleta de desafios e incertezas, é cheia de questionamentos: Qual será minha escolha profissional? Qual curso fazer? Terei que mudar de cidade para estudar? Conseguirei fazer amigos na faculdade? Como será daqui pra frente? E se eu não gostar do curso que escolhi? Quantas dúvidas, né?

Somam-se aos inúmeros questionamentos as cobranças e até mesmo a necessidade, às vezes cruel, de não poder errar na escolha. Todos esses fatores inevitavelmente geram tensão, uma pressão no estudante. Pela frente, ele tem o desafio de provar que é o melhor entre tantos outros para conseguir uma vaga em um curso que será, até então, aquilo que fará profissionalmente por toda a sua vida. Pois é, a escolha e a pressão não são nada fácil neste período.

Claro, sabemos que é possível mudar, fazer outras escolhas, seguir outras profissões. Mas, no momento do Enem, do vestibular, o jovem ainda não tem essa maturidade. Muitas vezes, ele apenas segue as orientações das famílias ou até mesmo a opinião de um amigo sobre o que fazer.

…e tudo pode mudar

Sim! Nenhuma de nossas decisões está “escrita na pedra”. Sempre que precisar, podemos mudar. Afinal, somos seres humanos e em constante transformação.

Há vários caminhos possíveis e o ser humano pode mudar

Nesse processo, é importante que o adolescente aprenda sobre suas responsabilidades, seus planos, bem como projetos futuros. Mais além, aprenda sobre a importância do autocuidado e da construção de relacionamentos saudáveis.

O desenvolvimento das competências e habilidades socioemocionais é fundamental e conduz a esse ensinamento. Essas competências são recursos e ferramentas extremamente importantes para que o jovem estudante possa ter o apoio teórico e prático para lidar com as adversidades que essa fase da vida requer.

Afinal, com conhecimento e maturidade, nossos jovens poderão passar com mais serenidade pelo período de vestibular e Enem. Mais do que isso, poderão construir uma vida com mais propósito e significado.

 

Fonte: https://www.olideremmim.com.br/blog/e-agora-como-focar-no-enem/

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *